Eleições 2020: segundo turno chega com aumento de casos da Covid-19




Neste domingo (29), o segundo turno das eleições para prefeito e vice movimenta mais uma vez a vida de 18 capitais estaduais e 49 municípios, mobilizando mais de 38 milhões de eleitores. Mas para além dessa informação importante, é preciso que todos os eleitores das cidades onde vai haver o pleito mantenham os cuidados de saúde por conta da pandemia da Covid-19. 


Isso porque quando o primeiro turno foi realizado, no dia 15 de novembro, o País tinha 14.134 novos casos pelo coronavírus, o que era considerado um dos números mais baixos desde que a pandemia chegou ao Brasil. Até o fechamento desta reportagem, às 18h de sexta-feira (27) pré-segundo turno, temos uma elevação destes novos casos para 34.130 pessoas. 


Para o epidemiologia e professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UNB), Jonas Brant, o processo de votação nesse momento de pandemia é um cenário complicado para os municípios.
 

Jonas Brant, Epidemiologia e professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UNB).
“Temos um aumento importante no número de casos em diversas regiões do País. Nessas localidades os cidadãos têm que tomar mais cuidado, pois o que temos percebido é que gradativamente as pessoas vem reduzindo as suas medidas de segurança e a preocupação com o risco de transmissão. O risco de infecção aumentou se comparamos o primeiro ao segundo turno.” 
 

Segundo consultor da área de saúde da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Denilson Magalhães, a entidade tem orientado aos gestores municipais que avaliem como a doença tem se comportado pela região para elaborar medidas efetivas na prevenção à Covid-19.

Denilson Magalhães, consultor da área de saúde Confederação Nacional de Municípios (CNM).


“O que a CNM tem feito, e mantém suas atividades nesse sentido, é orientar que cada gestor desenvolva todas as atividades para monitoramento e identificação dos casos, principalmente, as ações de prevenção da transmissão do coronavírus. Cabe a cada gestor local avaliar a sua situação epidemiológica e definir quais as melhores medidas adotar para ter o controle da pandemia no seu município.” 
 

Vale destacar ainda que, depois deste domingo, apenas Macapá, a capital do Amapá, vai precisar escolher o prefeito. Por conta do apagão que atingiu o estado por 22 dias os mais de 292 mil eleitores ficaram prejudicados. Desta forma o Tribunal Superior Eleitoral definiu que a cidade vai realizar seu primeiro turno das eleições no dia 6 de dezembro, enquanto a segunda etapa ocorrerá no dia 20.


  • Voltar as noticias da rádio! -